Programação

SAIBA MAIS SOBRE A PROGRAMAÇÃO EM 2016

Em 2016 o EncontroS migrou para Maceió-AL, e com isso nossa programação terá forte relação com esta região, e aqui você pode conhecer melhor o que preparamos além de acompanhar as atualizações durante todo o desenvolvimento da programação 2016. Legal né!? 😉

Olha só o que já temos confirmado: 


GRUPOS CULTURAIS

ORQUESTRA DE TAMBORES DE ALAGOAS (à confirmar) foi fundada em 2006, pelo músico e percursionista Wilson Santos. A ideia de criação do coletivo começou a partir de encontros na casa do músico, objetivando trabalhar com música experimental produzida a partir de instrumentos artesanais elaborados de bambu e outros materiais orgânicos e reciclados.

MARACATU BAQUE ALAGOANO tem por missão difundir e promover o fortalecimento do maracatu em Alagoas, bem como das demais manifestações culturais, folclóricas e seus respectivos mestres, além de fomentar a inclusão sociocultural através de suas apresentações e oficinas.

COLETIVO MARACATOD@S – Resgatar parte da tradição cultural e musical de Alagoas e juntar amigos dispostos a criar uma nova forma de sociabilidade. Com estes dois princípios surgiu o coletivo.

AFOXÉ ODÔ IYÁ – Frutos da miscigenação que tanto caracteriza a cultura e o povo brasileiros, exemplos legítimos da força e da capacidade de sobrevivência da cultura africana: os Afoxés. Em Alagoas, o Afoxé Odô Iyá se destaca no reconhecimento dessas tradições com 15 anos de atuação.

AFRO MANDELA é a primeira banda de Músicas Afro do Estado e tem 30 anos de existência. Comandada pelo Mestre Junior, é uma banda mista, junção dos antigos projetos; banda mirim, banda feminina e banda adulta.

BATUQUE YÁ é um grupo percussivo formado por mulheres fortes, guerreiras e capazes de representar de forma autêntica a supremacia existente em cada ser, independente do gênero. “O grito do agogô é um aviso: Sou mãe, filha e irmã. Sou MULHER e meu maracatu vibra na essência feminina, entre vestidos e batuques…”

CONFIRMADOS DAS MESAS-REDONDAS

Doté Elias – Coordenador da Sociedade Afro-cultural Palácio de Airá e fundador do Maracatu A Corte de Airá.

Mehuntó Lola – Sociedade Afro-cultural Palácio de Airá – Maracatu A Corte de Airá.

Babalorixá Márcio Ty Odé – Terreiro Ilê Yá MÍ Ipondá Axé Igboalamo.

Carlos Eduardo Ávila – Mestrando em Antropologia e professor da Escola Técnica de Artes (UFAL) e da Faculdade Pitágoras Maceió.

Clara Suassuna Fernandes – Mestre em História e professora do Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Arte da Universidade Federal de Alagoas.

Clébio Correia de Araújo – Doutorando em Educação, Vice-reitor, Coordenador do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros (NEAB) e professor de História da Universidade Estadual de Alagoas (UNEAL).

Ulisses Neves Rafael – Doutor em Sociologia e Antropologia com Pós-doutorado no Núcleo de Estudos sobre Cidades e Culturas Urbanas (NECCURB) do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Coordenador do Grupo de Pesquisa Cultura, Cotidiano e Sociabilidades na contemporaneidade e pesquisador dos desdobramentos do Quebra de 1912, tema de sua tese de Doutorado.

Fabiano Pedro da Silva – maracatuzeiro, bisneto de santo de Dona Santa, foi integrante do Leão Coroado, hoje fundador e regente da Nação Tigre, atual presidente e regente da revitalizada Nação Elefante.

Mauricéia Inácio Paixão de Melo – Aderecista, Presidente e Fundadora da Nação Oxum Mirin, senhora ligada aos fundamentos do candomblé, guiada pela orisá Osun.


DOCUMENTÁRIOS

Xangô Rezado Alto (Produção/direção: Panan Filmes)
Sinopse: registro etnográfico da festa que ocorreu em 2013, um ano após o pedido de desculpas do Governo de Alagoas aos religiosos de matriz africana pelo Quebra de Xangô de 1912. Mostra ainda personalidades do Movimento Negro Alagoano ressaltando pontos importantes sobre o tema.

Maracatu: Ritmos Sagrados (Produção/direção: Eugênia Maakaroun)
Sinopse: Eugênia de Freitas Maakaroun dirigiu e produziu o documentário sobre as origens e a realidade dos Maracatus-nação, como vivem os mestres e demais integrantes desta manifestação cultural.

Babá Paulo Braz – Conexão Ifé (Produção/direção: Gustavo Almeida)
Sinopse: registro da viagem do Babá Paulo Braz pela Nigéria. Pai Adão, avô de Paulo Braz, fundou um dos primeiros terreiros de Candomblé de Pernambuco. No século XX, visitou Ilê-Ifé para se aprofundar na religião e seu neto Paulo Braz almejou fazer o mesmo. Conexão Ifé relata a realização deste sonho.

EXPOSITORES – MESAS REDONDAS

Xangô Rezado alto e os desdobramentos do Quebra de Xangô na Afroalagoanidade
Henrique Oliveira
– Diretor Artístico-Comercial da Panan Filmes, produtora alagoana de videoclipes, ficções e documentários. Contemplado com o Prêmio de Incentivo à Produção Audiovisual em Alagoas e com o Prêmio Guilherme Rogato da Prefeitura de Maceió-AL e com a menção honrosa na 4ª Mostra Sururu de Cinema Alagoano.

Reflexões sobre os fazeres do Maracatu-nação: história, organização e estratégias
Charles Raimundo
– doutorando em Antropologia Social da UFSC, Pesquisador do Grupo de Estudos em Oralidade e Performance e do Núcleo de Estudos de Identidades e Relações Interétnicas. Realiza sua pesquisa com Mestres de Maracatus-nação, visando o estudo das relações e circulação de conhecimento ancestral nestas organizações. Articula eventos da Associação Cultural Arrasta Ilha – SC.

Preservação das tradições da cultura negra por meio da religiosidade, do maracatu e da comunidade
João Monteiro
– Omo Sangò, Secretário-geral do Conselho de Políticas Culturais de Recife, historiador, especialista em preservação de acervos, membro do Ábàmodà, um dos fundadores do Quilombo Cultural Malunguinho e do Memorial Severina Paraíso da Silva – Nação Xambá, Olinda-PE.


 

* Programação viabilizada mediante recebimento dos valores através da Lei de Incentivo a Cultura de Maceió – PRÊMIO ERIS MAXIMIANO.